Ato 1 - Um herói faria...

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Drako em Sab Ago 12, 2017 3:59 pm


Stan City, considerada a mãe do super heroísmo, é a cidade com a maior atividade de heróis do mundo. É nela onde fica situada a Universidade de heróis, que jovens de todo o país viajam para frequenta-la. E é aqui onde nossa história começa.

Esse foi o ano em que vocês desenvolveram suas habilidades e estavam ponderando se iriam ou não tomar o caminho do heroísmo. O único lugar para seguir esse caminho é se matriculando na Universidade de heróis, a UH. Todo ano abrem novas matrículas na UH para substituir os combatentes da justiça que terminam os ensinamentos, se formaram e ganharam a licença oficial para poderem patrulhar as ruas de qualquer cidade, se o prefeito delas permitirem.

Qualquer indivíduo com habilidade pode se matricular, mas passará por testes de aptidão. Vocês já se inscreveram e foram chamados para os testes no dia de hoje. Em sua mente esse era o único compromisso do dia, mas algo inesperado aconteceu.

No caminho até a universidade, três jovens se encontraram numa situação para qual ainda não estavam preparados. Chris Stone, Harrison McFly e Ray Callitri estavam na redondeza quando ouviram uma explosão. Após isso ouviram gritos. O que fariam? Correr até o local? É isso o que um herói faria, não é mesmo?

Duas quadradas dali, onde houve a explosão, pessoas gritavam de desespero enquanto um homem era devorado por um monstro.

Spoiler:


Não se sabe a origem dos monstros, mas suas aparições são frequentes. A única coisa que se sabe sobre eles é que não são inteligentes, normalmente devoram pessoas e que em algumas ocasiões aliam-se a vilões. Por quê? A resposta é desconhecida.

Cidadão 1: OH MEU DEUS!

Cidadão 2: DE ONDE VEIO ESSA COISA!?? CORRAM!!

Cidadã: CADÊ OS HERÓIS?! SOCORRO!! NATIONAL MAN!!

Pessoas clamam por socorro e vocês se veem nessa situação. Ajudar? Correr para cima de um monstro da qual você não tem nenhuma informação pode ser a morte certa. Pedir por ajuda? Com certeza a medida mais segura, mas as baixas seriam maiores.

A sua volta existem mais ou menos vinte pessoas. O monstro acabou de devorar o homem que já estava comendo, e sua fome continua grande.

O que fazer?

Off: Como temos três pessoas com personagens, resolvi fazer como num anime/mangá e começar com os três. À medida que os outros forem se inscrevendo eu os coloco na aventura, porém pode ser nessa ou na próxima cena.

Peço que pensem bem como agir, esse momento vai moldar o personagem de vocês. Se ele não se sair bem, ele pode ter uma cicatriz emocional para o resto da aventura. Eles são motivados por idolatria a algum herói? O heroísmo faz parte da família? Pensem na motivação que os faz quererem seguir esse caminho.

_________________
avatar
Drako

Número de Mensagens : 1824
Idade : 28
Data de inscrição : 28/04/2009

Ver perfil do usuário http://www.ds-club.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Scorpion em Seg Ago 14, 2017 2:14 pm

Na minha família não existem heróis. Minha mãe é uma mulher comum que trabalha com Recursos Humanos e meu pai é um cara ainda mais comum que trabalha com contabilidade. Na real, eu nunca pensei sério em ser um super herói, porém, como meus poderes me impossibilitam de ter quase qualquer contato humano, talvez torná-los úteis para o mundo seja a melhor maneira de aceitá-los... ao menos foi isso que o meu psicólogo disse. É... fritar metade da sua turma do colégio na piscina não é exatamente o que te torna uma pessoa muito sociável não...

Quando estou a caminho dos testes da UH, eu ouço os gritos e o alvoroço. Pessoas passam correndo por mim, por sorte eu estou coberto até o pescoço de uma roupa isolante emborrachada, assim ninguém se fere... então, eu o vejo! Um daqueles monstros malditos que gostam de aterrorizar e comer humanos vivos. Eu só vi um deles pela tv e lembro que quase me deu pesadelos... mas ver um frente a frente me deixa enojado. Alguém tinha de parar aquele bicho... e pelo visto não tinha mais ninguém ali.

O problema é: eu não sei quão resistente à eletricidade esse monstro é. Então, eu preciso aumentar minha carga ao máximo que eu conseguir. E como eu faço isso? Simples! Eu vou ter que pegar a energia emprestada desse bairro. Subo num poste e tiro as luvas emborrachadas. Aponto minhas mãos na direção da caixa de força e fagulhas de eletricidade começam a surgir...

Ray: Vamos lá.... caramba!

Começo a sugar toda a eletricidade que eu consigo, o mais rápido possível. Meu cabelo arrepia, como um super sayajin, dando pra ver a estática azul sobre ele. Eu tiro a blusa emborrachada... e salto do poste.

Ray: Quer algo pra comer? Então pega! Vamos, pega!

Aceno para o monstro na esperança que ele me pegue e tome o maior choque de sua vida. Como se já não fosse muito, se ele me agarrar, ainda dispararei com os meus olhos uma rajada de eletricidade no meio da boca dele.

_________________
avatar
Scorpion

Número de Mensagens : 2433
Idade : 31
Data de inscrição : 04/07/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Nasinbene em Ter Ago 15, 2017 2:35 pm

Harry sempre soube que se tornaria um herói. Mesmo antes de seus poderes se manifestarem, ele sabia, bem no fundo do seu coração. Passava horas e horas estudando poderes, habilidades e táticas de combate que o pudessem ajudar quando estivesse no comando de seu próprio grupo de heróis
Quando os poderes finalmente apareceram, o jovem McFly foi ovacionado em casa, seus pais ficaram extremamente orgulhosos de terem um filho com uma individualidade tão poderosa... o único problema era a limitação de Harry: enquanto estivesse olhando para onde ia, seus poderes não funcionavam. Descobriu isso da pior maneira possível quando, uma noite em que tentava dormir, atravessou a parede do quarto e foi parar de cueca no meio da rua. Desde então, passou a ser chamado de Voo Cego pelo irmão mais velho. Harry sempre tentava mirar no som de onde queria ir quando usava seus poderes, mas isso nem sempre dava certo. A sua aceitação na UH era a chance de reverter esse quadro e se tornar o herói respeitado que sempre sonhou ser...
No entanto, talvez nem tivesse a chance de chegar á graduação... um monstro horrendo atacava a população no exato momento em que Harry e outros dois jovens se dirigiam ao prédio da UH. Antes que qualquer um deles possa agir, um dos rapazes toma a frente e suga a energia elétrica de todo o bairro para usar contra o monstro. Mais do que isso, ele se põe na frente do monstro, chamando sua atenção... Será que, além de poderes elétricos o rapaz também era invulnerável? Era pouco provável... O rapaz iria morrer, como qualquer outro cidadão comum, obrigando Harry a se expor ao perigo também...
Tomado pela raiva, Harry cerra os punhos e procura se concentrar no tipo de rugido que a besta faz... isso iria guiar seu voo. Mesmo não conhecendo os jovens que estavam com ele, Harry tinha certeza que, se estavam indo à UH, estariam ávidos a ajudar também. Então, num tom que não deixava espaço pra contestação, Harry diz ao que tinha ficado ao seu lado:

- Você ai! Temos que tirar os civis da linha de frente. Não sei qual é sua individualidade mas use pra limpar o caminho. Vou atacar o monstro diretamente, fico invulnerável quando estou voando... o problema é que fico cego, então você vai ter que guiar meu voo caso eu saia da rota! Vou tentar salvar o idiota ali... PROPULSION!!!

Mal Harry fecha seus olhos e uma poderosa energia de propulsão envolve seu corpo. Ainda mirando no rugido, ele zarpa com os punhos cerrados na direção do rugido. Quando sentisse que tinha atingido algo, gritaria para o rapaz elétrico:

- HEY, VAGA-LUME IDIOTA!!! CAI FORA DAÍ!!!

Se sobrevivesse àquela experiência, teria uma conversa muito séria com aquele irresponsável...
avatar
Nasinbene

Número de Mensagens : 1282
Data de inscrição : 29/05/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Phelipe Peregrino em Ter Ago 15, 2017 7:44 pm

Você também tem a sensação de que todo mundo te odeia? Olá, meu nome é Chris Stone. E esse não é o melhor momento da minha vida.

????: Você ai! Temos que tirar os civis da linha de frente. Não sei qual é sua individualidade mas use pra limpar o caminho.

Tudo aconteceu muito, muito rápido. Num segundo eu pedalava para o prédio da UH, no outro, estou envolto em gritos com um sujeitinho marrento me dizendo o que fazer.

????: Vou atacar o monstro diretamente, fico invulnerável quando estou voando... o problema é que fico cego, então você vai ter que guiar meu voo caso eu saia da rota! Vou tentar salvar o idiota ali...

Ele não me dá tempo para reagir. Eu saquei. A coisa tá feia. Mas ele não sabe quais é minha individualidade, nem eu sei exatamente o que ele faz. Além disso, tem um outro maluco disparando raios para todos os lados.

Chris: O quê?! Esp--

????: PROPULSION!!!

E se mandou. É. Esse é só mais um exemplo de uma longa lista de coisas bizarras que acontecem no meu cotidiano. Mas, numa coisa o cara estava certo. O tempo é curto.

Os civis. Eu preciso ver quantos deles estão realmente em perigo. A gente não sabe como o corpo dessas coisas funciona. Se a descarga elétrica passar pelo corpo dele, pode ser conduzida pelo asfalto? Nesse caso o mais seguro é ficar na bicicleta. Os pneus de borracha vão servir de isolamento. No momento, vou fazer o que o esquentado me pediu, porque é mesmo a prioridade: tirar as pessoas do perigo. Mas tinha algo mais, uma descarga elétrica com a energia de um quarteirão e um míssil invulnerável de uma só vez? Se o monstro aguentasse, eu poderia ter uma noção melhor do que estamos lidando.

Tem mais... O cara pediu para eu guiá-lo no voo cego. Eu precisava de dar um jeito de chamar sua atenção no meio da bagunça. Se eu gritar ele pode simplesmente confundir com os gritos da confusão... Então... Eu começo a tocar violentamente o sino da bicicleta, ecoando aquele "trim-trim" irritante.
Correndo pela rua, tocando o sino sempre que ele precisar mudar de direção. Que saco, tomara que o cara pegue a ideia.

_________________
avatar
Phelipe Peregrino

Número de Mensagens : 1453
Idade : 28
Data de inscrição : 27/04/2009

Ver perfil do usuário http://www.facebook.com/phelipe.peregrino

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Drako em Ter Ago 15, 2017 9:13 pm


Heróis se jogam para o desconhecido pelo bem das pessoas sem pensar duas vezes. Muitas vezes é algo tão instintivo que eles nem pensam. E foi isso que os três garotos fizeram.

O primeiro a entrar em combate foi Ray Callitri, que subiu em um dos postes para sugar toda a eletricidade possível da caixa de força. Seu cabelo se arrepia e o jovem começa a emanar uma eletricidade azul pelo corpo. Por um momento ele cria uma luz azul forte que chama a atenção dos civis ali presentes.

Cidadão: É um herói! Ele irá nos salvar!!

A energia de Ray funciona como um raio de esperança para eles. Porém, ao sugar toda a eletricidade, o quarteirão fica sem luz, tornando-o a principal fonte de iluminação do local. Callitri tira sua roupa emborrachada e pula em direção do monstro, na intenção que ele o pegue e tome uma descarga enorme de choque.

Aquilo realmente chamou a atenção da besta, que vê o jovem guerreiro como sua próxima presa. Mas ele não espera o rapaz cair, ele pula em sua direção com a bocarra aberta para mordê-lo. A força em que o monstro se impulsionou para o alto era tão grande que o jogou em direção ao Ray em alta velocidade, que não tem muito tempo para reagir. A mordida pega em cheio o braço esquerdo do garoto. Em pleno ar, ambos gritam de dor. O monstro por conta do enorme choque que tomou e Ray pela dentada que tomou nos braços. Se não fosse sua habilidade, e o reflexo do monstro de largar da carne assim que sentiu o choque, Ray teria perdido o braço fora.

Do chão, Harry pede a Chris que tome conta dos civis e os tire de lá. McFly olha rapidamente para os dois no ar para pegar a direção de onde deve voar e usa sua habilidade Propulsion.

Enquanto Ray grita de dor, o monstro já se recuperou do choque. Foram quatro segundos de ação entre Callitri se jogar do poste e ser mordido. Um animal comum aprenderia a não morder a mesma coisa duas vezes ao tomar um choque enorme, mas os monstros não tem nenhuma forma de aprendizado, mesmo que pequena. A besta se preparava para tentar morde-lo novamente quando é acertado nas costas pelo míssil humano de Harry. McFly sente que o monstro quebrou algum osso, mas ele se vira, o agarra pelo braço e o joga em direção ao chão. Um impacto é grande e abre um pequeno buraco no asfalto, subindo poeira e pedras para todos os lados. Harry continuou de olhos fechados, fazendo com que ele não tivesse danos. Com isso, Ray e o monstro chegam ao solo finalmente.

Nesse tempo, Chris auxilia os civis que estavam ao redor a sair de lá. Em sua bike, ele orienta por onde eles devem ir.

Cidadão: Obrigado, garoto. Mas tome cuidado, você ainda é uma criança!

Enquanto o homem corre para um local seguro, Stone escuta o barulho do impacto de Harry sendo jogado violentamente no chão. Chris tinha feito o seu trabalho e voltou sua atenção a batalha. Ele viu o seguinte:

Ray estava com o braço sangrando, porém sua ferida não era grave.

Harry estava em uma pequena cratera, meio atordoado e sem entender o que aconteceu.

O Monstro tinha tomado dano da descarga elétrica e sua pele estava meio escura por estava um pouco queimada. Ele também estava em pé em uma postura inclinada para a esquerda, algo estava errado com a besta. Porém, nada disso o impedia de continuar atrás de comida.

O campo de batalha estava apenas com a iluminação das chamas da explosão que tinha ocorrido pouco antes, fora isso o quarteirão estava todo no escuro.

Nesse momento todos ali escutam um choro.

Uma criança estava perdida no lugar e desesperada, começa a chorar. Chris não a notou por conta da escuridão. Era uma menina, seu pai era o homem que tinha sido devorado.

O monstro a nota, então anda em sua direção. A próxima refeição foi escolhida.


_____________________________________________________________________________________________________

De suas respectivas casas, mais três aspirantes a herói descobrem a noticia de havia acontecido um ataque de um monstro na cidade. Jay Alburn, Ashley Evans e Isao Watanabe assistiam o noticiário.

Repórter: Estamos ao vivo do distrito Kane onde um ataque de monstro acontece nesse exato momento. Não temos muita informação do porque, mas sabemos que quatro pessoas já foram assassinadas. Não se sabe onde está o grupo de heróis WoH, há noticias de que eles saíram do país em uma missão mundial! Heróis de ranks menores ainda não chegaram no loc—O que? Estou recebendo a informação do nosso helicóptero de que há três jovens no local lutando com a fera. Eles ainda não foram identificados então não há confirmação se os jovens são heróis registrados ou apenas civis com habilidades. Ficaremos ao vivo no Canal 7 na cobertura, mas pedidos que ninguém venha até o local, para sua própria segurança.

Jay, Ash e Isao também foram chamados para atender a AH, mas ainda não tinham saído de casa. Cabe a eles decidirem o caminho que irão seguir nesse fatídico dia.

Off: Postem suas introduções, na próxima atualização coloco vocês na luta.


_________________
avatar
Drako

Número de Mensagens : 1824
Idade : 28
Data de inscrição : 28/04/2009

Ver perfil do usuário http://www.ds-club.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Ricardo Sato em Qua Ago 16, 2017 1:07 am



Parece que eu tenho algum tempo antes de virar cinzas,né?..............



ENTÃO VAMOS NESSA SEU DESGRAÇADO!!!!!

........................................................................

Fico sentado de pernas cruzadas sob a mesinha baixa ali na minha "sala",ou seja lá como se deve chamar o único cômodo deste "apertamento" que não tem uma pia,acho que tive mais um pesadelo....não me lembro bem,mas sei que quando acordo suado e sobressaltado é por que não deve ter sido algo bom.Continuo com a camisa aberta e os pés descalços,com uma torrada na boca ligo a TV nas notícias,mais interessado em saber se estou atrasado do que em qualquer outra coisa....é quando vejo a criatura,também me lembro do lugar,que é bem perto daqui.

Penso em como aqueles caras estão sendo insensatos,em como é burrice não esperar pelos heróis.......sei que é uma estupidez,sabe porque?
Porque vejo minhas pernas se mexerem meio que sem eu mandar,porque me vejo enfiar os pés nos sapatos que estavam na porta e passar por ela,me vejo saltar pela cerca do prédio vizinho para cortar pelas ruas de traz e também escuto uma voz me dizendo exatamente o que eu sou por estar fazendo isso.....a minha voz.



....burro,Burro,BURRO,BURRO!!!!...

_________________
avatar
Ricardo Sato

Número de Mensagens : 1358
Idade : 33
Data de inscrição : 06/03/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Leo Rocha em Qua Ago 16, 2017 10:55 am

Isao olhava a gravata e achava uma tolice aquilo. Não era a roupa que o tornaria um herói e sim seu desejo em ser o melhor.
Olhando no espelho, ele via no reflexo o eco de uma trajetória que agora encontrava seu ponto central. Desde criança queria ser um herói com poderes maneiros como lançar raios, ser superforte, indestrutível, ágil, voar... Ele treinara para isto: fazendo a escolinha de artes marciais já a partir dos 6 anos. Seu mestre também confiava na aptidão do garoto e por isto, lhe prometeu que transmitiria a ele a espada do fundador do dojo, para que a honra do clã fosse representada em seus atos heróicos.
A surpresa foi quando os poderes surgiram. Treinando um dia com seu mestre, Isao conseguiu explodir uma pilha de tijolos com um soco. No começo achou que sentira um pouco de dor por conta de ser a primeira manifestação e não fez muito caso, afinal, ele tinha o poder de explodir coisas. Mas a medida que ia treinando e manifestando seu poder, Isao constatou que na verdade o poder era de gerar uma explosão em seu corpo, ou seja, se explodir. E que a dor aumentava de acordo com a intensidade da explosão.
Ainda que tenha ficado decepcionado com seu poder, ele era o passaporte para que se tornasse um herói reconhecido e treinado na AH. Cabia a ele apenas não se tornar dependente das explosões. Era nisso que ele pensava quando a notícia do monstro passou no jornal.
Ele olhou para o grupo que enfrentava o monstro e suspeitou que fossem aspirantes, pois nem possuiam identificação na TV.
Ele então calçou os patins e começou a patinar na direção do confronto. Queria ver de perto e, quem sabe ajudar...

_________________
avatar
Leo Rocha

Número de Mensagens : 4147
Idade : 38
Data de inscrição : 14/10/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Guima em Qua Ago 16, 2017 6:34 pm

Todos os dia era a mesma rotina. O despertador tocava as 5 da manhã antes do sol nascer. Ash levantava, tomava uma gemada vestia calças e um moletom de mangas rasgadas e iniciava uma corrida matinal de 10 kilometros até a academia do Joe.

A academia do Joe era um local onde "perdedores" e "deslocados" treinavam. Diferente das academias profissionais e fitness, a academia do Joe era famosa por receber esses "losers" da vida. Talvez o usuário mais famoso da academia era Ashley por seu pai ser amigo de Peter, o dono da academia.

Mas Ash, não gostava de frequentar a academia num horário movimentado, por isso ele frequentava o local bem cedo antes da mesma abrir as portas. Lá ele fazia treinos pesados de boxe tais como pular corda, punching ball, flexões, agachamentos e por fim o saco de pancadas. Ash adorava o saco de pancadas por não possuir um sparring a altura de suas capacidades, então ele descontava no saco toda sua frustração e fúria.

Enquanto socava o saco, Ash se lembrava de seus pais. E esta lembrança era sempre associada a raiva. Ash tinha raiva de ter perdido seus pais... ele os admiravam. Seus pais eram heróis, ainda que não oficiais pois os mesmos eram vigilantes e defendiam o bairro na clandestinidade. Power Man e Hard Girl. Uma dupla que defendia as minorias sem se importar muito com fama e estrelato. As lembranças com seus pais atingiam Ash como um soco. E Ash respondia a altura socando o saco, cada vez mais forte, cada vez mais pesado. Por fim a lembrança do fatídico dia em que seus pais foram mortos e Ash não sabe quem fora o responsável... A fúria queimava em seu amago de tal forma que ele desferiu um soco tão forte que estourou as correntes do saco de pancadas jogando ele contra a parede.... Ofegante, o frenesi ia diminuindo e Ash voltando a si. Ele precisava se focar mais, ter disciplina... mas isso levaria algum tempo.

Mais calmo ele volta ao vestiário e arruma sua mochila para voltar para casa. Mexendo na mochila ele ve o convite da UH. Tinha se esquecido completamente que ele fora convocado para efetuar a matricula. Por sorte, a UH não ficava muito longe dali. Preparando-se para ir embora Ash ve Peter assistindo o noticiário da TV. O noticiário mostrava uma criatura monstruosa atacando civis de Stan City.

Ash - E ai Peter, o que que ta pegando?
Peter - Ao que parece um monstro decidiu atacar a cidade de novo. Isso ta virando rotina já. E o WoH não apareceu até agora. Devem estar em uma missão importante.
Ash - Qual missão é mais importante do que defender o próprio lar? Esse grupo de heróis só querem reconhecimento e nada mais. Eles não são verdadeiros heróis.
Peter - Senti um tom de ódio em suas palavras ou foi só impressão.
Ash - ...
Peter - Ash... seus pais não gostariam de te ver assim.
Ash - ...

O repórter do canal 7 volta ao ar dizendo que tres jovens chegaram ao local e estão batalhando com o monstro. Monstro esse que embora os esforços dos heróis em para-lo já havia feito quatro vitimas. Ash que estava com o papel de convocação na mão amassa-o com força enquanto cerrava seu punho vendo a noticia.

Antes que Peter questionasse se Ash iria ao local ou não, Ash já tinha deixado a academia e foi correndo em direção do local onde o monstro estava atacando.

_________________
avatar
Guima

Número de Mensagens : 2330
Idade : 32
Data de inscrição : 12/12/2009

Ver perfil do usuário http://www.remistico.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Phelipe Peregrino em Qua Ago 16, 2017 8:15 pm

Cidadão: Obrigado, garoto. Mas tome cuidado, você ainda é uma criança!

Chris: E eu não sei? - Resmungo entre os dentes. *trim-trim* - Que saco!

Foi quando escuto os gritos. No meio da escuridão, uma garotinha passou batida por entre os civis em perigo. Merda! Como pude ser tão descuidado?!

Giro a bike com tudo, o monstro puxava para um dos lados. O ataque combinado dos dois deve ter funcionado. Precisava agir. Eu pedalo com tudo. No máximo de velocidade que conseguia. Vindo pelo lado da criatura que demonstrava já ter se machucado. Quando estou à toda velocidade, salto da bike, girando na direção da menina para pegá-la no colo. A bike vai se chocar contra o lado machucado da coisa, não deve causar muito dano (se é que vai causar algum) mas deve ser o suficiente para me dar a abertura que eu preciso para tirar a garota de lá. Pego a menina no colo e saio correndo.

Chris: Calma, garota! - Eu sussurro pra ela. - A gente vai te tirar daqui.

_________________
avatar
Phelipe Peregrino

Número de Mensagens : 1453
Idade : 28
Data de inscrição : 27/04/2009

Ver perfil do usuário http://www.facebook.com/phelipe.peregrino

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Nasinbene em Sex Ago 18, 2017 8:16 am

Após seu ataque, Harry abre os olhos ao perceber que tinha atingindo o solo. Já havia se espatifado no chão vezes o bastante pra que a sensação ficasse bem familiar... Ao abrir os olhos, Harry ve o monstro chamuscado e pendendo para a esquerda. Então, o osso que havia sentindo se partindo não fora impressão sua. No entanto, apesar de ferido o monstro ainda atacava. Não os heróis, talvez por os considerar uma presa difícil demais. Mas uma jovem garotinha, que agora chorava aterrorizada. Ainda um pouco zonzo pelo impacto, Harry se põe em pé

- Merda...

Não podia usar seu poder pra tirar a menina dali... poderia acabar quebrando seu pescoço com o impacto. Suando, Harry pensava o que fazer quando ele vê o garoto da bicicleta correndo na direção da menininha. Imediatamente, ele percebe que, se não conseguir chamar a atenção do monstro, tanto a menina quanto o garoto serão feitos em pedaços. Ele então traça um plano rápido. Estúpido e com muitas chances de falhar mas era só o que ele conseguia pensar agora. Ele se volta para o garoto elétrico e diz:

- Você aí, Vaga-Lume... precisamos dar tempo pra que o garoto ali salve a menina. Preciso que você suba em minhas costas e guie meu vôo. Não se preocupe com sua eletricidade, fico invulnerável voando. Faça com que eu fique voando em círculos, em volta do monstro. Aí, você frita ele... Agora, vamos lá!

Harry fecha os olhos e imediatamente sua aura propulsora envolve seu corpo. Assim que sentisse que o rapaz havia pulado em suas costas, alçaria vôo. Era melhor aquele plano funcionar... a vida da garotinha estava em suas mãos...
avatar
Nasinbene

Número de Mensagens : 1282
Data de inscrição : 29/05/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Scorpion em Sex Ago 18, 2017 3:36 pm

Nossa, que dor no meu braço! A sorte é que a estática afastou a boca dele, como quando alguém toca numa cerca elétrica e é repelido... mas isso não impediu que ele fizesse um rasgo que iria precisar de pontos!
Estou meio ajoelhado segurando o braço para ver se o sangue estanca, mas canais vermelhos se formam entre meus dedos. Suo um pouco, afinal... não estou acostumado a trocar porrada com monstros. Na real, nem sei o que me deu... mas por sorte outras pessoas apareceram pra ajudar.

Ray: E essa agora!

O monstro estava indo pra cima de uma criança... e pior que não tem nada que eu possa fazer. Se eu tentar apanhar essa criança, ela está ferrada. O meu corpo gera em torno de 9000 volts de potência normalmente... é pouco mais da metade da eletricidade gerada por um trovão te atingindo em cheio. Só que eu chupei toda a energia do bairro, então devo estar com muito mais que 20 mil volts... Sem a minha roupa emborrachada, ela vai sumir numa mancha negra. Por sorte um outro garoto se adianta e vai em socorro dela.

É quando um outro aparece e fala coisas que não processo muito bem por contada dor, mas parece que ele quer que eu o use de prancha de surf! A ideia parece idiota, mas se ele diz que aguenta...

Ray: Vamos lá, então...

Solto o meu braço e um pouco de sangue escorre. Subo nas costas dele, meio que ajoelhado e segurando no colarinho dele com uma das mãos. Começamos a voar em círculos... espero que esse cara não se taque comigo no chão. Eu já tô ferido! Vou dando as direções!

Ray: Pra direita, "Rush"!

Espero que ele não entenda a referência do Megaman! Eu adorava aquele jogo...

Ray: Quero chegar perto da boca dele... Pra esquerda! Esquerda!!!

Quando estivermos perto do rosto dele, eu vou esperar ele abrir a bocarra.

Ray: Então você curte eletricidade? Então... TAKE IT AAAAAAAAALLLLLLLLLLL!!!!

Eu descarrego toda a energia que eu peguei do bairro pelos olhos, bem dentro da boca dele, que deve ser mais sensível do que a pele dele. Espero que isso tenha algum efeito...

_________________
avatar
Scorpion

Número de Mensagens : 2433
Idade : 31
Data de inscrição : 04/07/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Drako em Sab Ago 19, 2017 7:34 pm

Nenhum deles notou a menina que estava ali todo aquele tempo, mas bastou um vislumbre de que o monstro ia atrás da garota que os três jovens heróis rapidamente se moveram. O primeiro deles foi Chris, que usou sua bicicleta para se movimentar rapidamente e tirar a pequena indefesa de perto das garras da besta. Ele pula da bike em direção da garota, jogando seu veículo em cima do monstro, o que não surtiu efeito algum. Stone agarra a menina, cai no chão, se ralando um pouco, e sai correndo do alcance do bicho.

Enquanto isso, Harry e Ray bolam um plano para derrotar seu adversário. Callitri sobe nas costas de McFly, que se lança em voo. Eles voam em círculos, mas Ray guia o colega dando as direções. Rapidamente Harry acerta o monstro e o leva para as alturas como um míssil. Instintivamente a besta abre sua boca tentando dar uma boa mordida na cabeça de Ray, que descarrega toda sua eletricidade diretamente no alvo gigante em cima frente.


A criatura gritava a uma altura ensurdecedora, enquanto a dupla tentava se aguentar com o plano. A energia lançada foi tão forte que os olhos do monstro pularam para fora, enquanto sua carne fritava. Então, o grito parou. Ray também encerrou seu ataque e da boca do bicho só saia fumaça. De todo o seu corpo só saia fumaça, o corpo dele estava carbonizado. McFly soltou o monstro que caiu ao chão. Ray instruiu Harry para eles descerem até o solo.

Os dois se juntaram ao outro jovem herói, machucados, mas com a sensação de dever cumprido. Eles finalmente se deram conta do som das hélices do helicóptero que os sobrevoava, enquanto o câmeraman acenava para eles.

A menina, ainda chorando no colo de Chris, aponta para frente e os três olham. Eles veem duas pequenas chamas flutuando.


Menina: E-eu vi esse f-foguinho antes do monstro aparecer. Antes da e-explosão.

O trio vê o fogo se comprimir, mais e mais, até que finalmente entendem o que foi a explosão que aconteceu antes. Todos procuram abrigo, se escondendo dentro de uma loja aberta.


Das chamas aparecem mais dois monstros. O grito do monstro não foi de dor, foi um chamado por ajuda. O trabalho daqueles três ainda não tinha terminado.

Spoiler:


Porém, à caminho dali estava um novo trio de jovens com ambições heroicas. Como os anteriores, a grande explosão chama a sua atenção, que tentam se apressar.

Ash, Isao e Jay chegaram até o campo de batalha e veem dois monstros diferentes daquele que viram na televisão. E tinha mais, o helicóptero que sobrevoava o local foi atingido pela explosão e começava a perder o controle, era obvio que não ficaria no céu por muito tempo.

_________________
avatar
Drako

Número de Mensagens : 1824
Idade : 28
Data de inscrição : 28/04/2009

Ver perfil do usuário http://www.ds-club.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Ricardo Sato em Sab Ago 19, 2017 10:17 pm



Corro pelas ruas,tudo parece mais escuro a medida que me aproximo,havia visto isso pela televisão mas ali de perto ficava uma atmosfera ainda mais tensa,novas explosões guiam meu caminho e logo chego ao local,mas....haviam dois monstros ao invés de um e nenhum deles parecia ser o da reportagem.

Observo por um instante e vejo que não há mais pessoas por perto(nem mesmo os garotos que lutavam)é ai que eu vejo o helicóptero,pode até ser que daquela altura e tendo ainda o que parecia ser um pouco controle eles conseguissem pousar mas isso não iria ajudá-los a fugir daquelas coisas.

Tinha que fazer algo,fico a uma certa distância e procuro por uma janela deixada aberta na confusão,por onde eu possa tentar recuar pra dentro de algum prédio,mas me mantenho atento ao helicóptero....se não der tempo paciência.

Vou me colocar em posição e antes que eles se virem na direção do veículo eu vou começar a emitir um brilho,uma aura de luz calmante ao meu redor,assim que chamar a atenção deles e começarem a vir em minha direção eu estendo as palmas de minhas mãos liberando um cone de luz cegante contra o rosto de cada um dos monstros.No centro de cada um dos cones rapidamente formarei um ponto mais concentrado que assim que as criaturas estiverem ao alcance vão se tornar descargas de laser contra suas cabeças.

Tentarei sair da frente assim que disparar esperando que estejam mortos...ou ao menos cegos,mas não posso baixar a guarda e tenho que buscar cobertura,afinal não sei onde o monstro da televisão pode estar.....esse é o plano....e é uma merda de plano.

Você é um burro mesmo Jay,um já era peso demais pra sua carroça e agora você quer irritar dois?Se sobreviver vai fazer o que?Chamar a Ceresa pra sair e ser jogado na estratosfera pela mãe dela?

AHHHHH,foda-se........Vamos nessa!!!!

_________________
avatar
Ricardo Sato

Número de Mensagens : 1358
Idade : 33
Data de inscrição : 06/03/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Scorpion em Dom Ago 20, 2017 1:38 am

Depois de pousarmos, Ray desmonta das costas do desconhecido e meneia com a cabeça.

Ray: É... parece que formamos uma boa dupla. Eu sou Ray Callitri.

Mas não oferecia a mão para cumprimentar o colega, pois ele estava de olhos abertos e ia acabar por levar um choque nada fraco.
Ray então vai atrás da sua roupa isolante que ficou no chão e a joga sobre o ombro, se juntando ao outro garoto que salvou a menininha, mas que parecia não ter demonstrado qualquer poder.

Ray: Aí, garoto! Mandou bem!

Fez um positivo com o polegar, mas quando estavam para ir embora, uma luz... e a menina falava então algo que não parecia nada bom.

Ray: Ai, porcaria...

Ray começa a gritar para as pessoas.

Ray: Saiam daqui! Tem mais deles vindo! Vão!!! Caiam fora logo daqui, droga!!!

Ok... algum deles tinha um plano? Então aparece um maluco que só podia estar possuído na droga. Tinham sido necessários quase 3 heróis pra apagar um dos monstros e agora apareciam mais dois e ele estava querendo chamar a atenção sozinho? A vontade que dava era de sentar, pegar pipoca e ver o que aconteceria... Nah! Estava indo para uma escola de heróis. Não havia razão pra deixar o penetra da festa ser trucidado.

Ray então corre para cima do que não tem garras nos dedos, indo por trás e o abraça, tentando segurar seus braços e causando o choque que naturalmente causava pelo simples toque com sua pele.

Ray: Mais alguém...? Não dá pra segurar muito...tempo!

_________________
avatar
Scorpion

Número de Mensagens : 2433
Idade : 31
Data de inscrição : 04/07/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Guima em Dom Ago 20, 2017 4:06 pm

Chego no local e dou de cara com mais dois aspirantes a herois. O que é muito bom visto que agora há mais dois monstros. Estes a TV não tinha mostrado... isso quer dizer que os tres garotos que estavam lidando com o outro mostro o venceram, mas onde eles estavam agora? Será que estavam feridos ou mortos?

Não posso me preocupar com isso agora. Os dois monstros que surgiram na explosão são a coisa mais urgente a se lidar. Mas se tres aspirantes a herois não conseguiram lidar com um? Será que vou ter sorte? Bom... não posso ficar pensando... quem pensa muito não age e eu preciso provar meu valor.

Então o Helicoptero do Canal 7 começa a ficar aparentemente descontralado. Talvez a explosão tenha o atingido... Droga... os monstros vão ter que ficar para depois. Preciso impedir que aquele helicoptero caia evitando a morte dos seus passageiros e consequentemente de civis que possa se machucar no acidente.

Fodam-se os monstros. Preciso salvar aqueles que estão em risco primeiro.


Correndo e olhando para os ares vou em direção ao helicóptero. Espero ter forças para aguentar o baque... e que chegue a tempo.

_________________
avatar
Guima

Número de Mensagens : 2330
Idade : 32
Data de inscrição : 12/12/2009

Ver perfil do usuário http://www.remistico.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Leo Rocha em Dom Ago 20, 2017 5:38 pm

Isao chega ao local a toda velocidade em seus patins. Ele percebe que a trama se complicava com o aumento de monstros e aspirantes a heróis: agora eram 2 pra 6.
Um deles dispara luzes contra os dois monstros. Outro se agarra a um deles é o terceiro se lança na direção do helicóptero que caia.
Ele então decide realizar uma ação rápida: sacando sua espada, ele aumenta a velocidade, patinando na direção dos monstros. Seu alvo seria o monstro das unhas grandes, a quem tentaria cortar as garras.

_________________
avatar
Leo Rocha

Número de Mensagens : 4147
Idade : 38
Data de inscrição : 14/10/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Phelipe Peregrino em Seg Ago 21, 2017 1:11 pm

A explosão foi forte, e conseguimos nos safar por pouco. Sinto a ardência no meu braço. Não preciso nem olhar para saber que eu havia me ralado. Pois é. Eu já disse isso antes, mas não custa nadinha repetir: Esse não é o melhor momento da minha vida. Apoiado com as costas contra a parede, eu abraço a menina contra o meu peito, segurando ela no meu colo. Respiro fundo para tentar recuperar o fôlego. Agora tem mais dois dessas coisas. Que. Saco. A menina ameaça chorar.

Chris: Ei... - Olho pra ela tentando soar calmo. - Vai ficar tudo bem. Ninguém vai te machucar.

Os sons da batalha ecoam lá fora. Se um daquelas coisas deu trabalho, o que dirá duas? Ok, Chris. Qual é o próximo passo? Estou pensando. Você pode garantir pela segurança da menina? Não sei. Você pode ajudar na batalha? Quê?! Os dois lá fora conseguem dar conta? Não faço ideia. Para! Ficar resmungando não vai levar você a lugar nenhum. Temos um cara elétrico e o outro fica invulnerável quando voa. Duas criaturas.

Pensa, Chris! Observe as criaturas. Qual é o próximo passo? O que a biologia deles pode te indicar? Garras. São predadores. Olhos frontais. Caçadores. Eles possuem essa estrutura óssea cobrindo o crânio, mas o mesmo não acontece com o resto do corpo. Hmm... O que isso significa? Talvez... Essa seja a parte mais vulnerável do seu corpo... Talvez suas cabeças sejam tão frágeis que eles evoluíram para ter essa "armadura" para garantir sua sobrevivência.

Coloco a menina no chão.

Chris: Olha... - Me ajoelho para que meus olhos fiquem na altura dos seus. - Meu nome é Chris. Qual é o seu? - Espero ela responder. - Escuta, preciso que você seja corajosa, tá? - Entrego meu celular pra ela. - Preciso que você suba nas minhas costas. Hoje você vai ter que ser a heroína. Vai ser nossa All Might, tá? - Viro de costas para que ela suba nas minhas costas (e ela fica como se fosse uma mochila, me segurando pelo pescoço) - Não se preocupe. Vai tudo abacar bem.

Volto minha atenção para a batalha que se desenrola. Vejo o cara elétrico saltar com tudo e agarrar uma das criaturas. Por quê?! Ele não poderia simplesmente disparar a energia? Talvez tenha ficado zerado após aqueles dois primeiros ataques. Nesse caso, será que ele pode recarregar? Como? Um outro cara chega. Talvez seja isso, talvez só precisemos esperar por reforços. Com essa confusão toda sendo televisionada, os profissionais devem chegar a qualquer momento. Nesse caso só precisamos sobreviver até a ajuda chegar. Tem mais algum civil aqui? Também precisamos minimizar os estragos. E sobreviver.


Aponto meu dedo para a criatura, aguardando o momento certo.

Chris:BLOODY PISTOL!

Disparo. Sinto o sangue percorrer meu braço através do arranhão, ele atravessa meu corpo causando um formigamento estranho. O disparo sai vermelho carmesim, e o som é como uma gota em alta velocidade cortando o ar. Percorrendo a distância entre nós para atingir em cheio dentro da boca de uma das criaturas. Se minha teoria estiver certa, a parte de dentro do crânio não deve ser tão resistente. Talvez possamos causar algum dano, afinal.

_________________
avatar
Phelipe Peregrino

Número de Mensagens : 1453
Idade : 28
Data de inscrição : 27/04/2009

Ver perfil do usuário http://www.facebook.com/phelipe.peregrino

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Nasinbene em Ter Ago 22, 2017 4:10 pm

Os esforços conjuntos dos dois jovens tinha surtido efeito. O monstro havia caído, não sem antes emitir um urro aterrador. Quando Ray orienta o pouso de Harry, os dois se dirigem para onde estavam o outro jovem e a menina. Certos de que o perigo havia passado, Ray se apresenta, tomando o cuidado de não estender sua mão:

- É... parece que formamos uma boa dupla. Eu sou Ray Callitri.

Harry olha para o rapaz e acena a cabeça afirmativamente, respondendo sem também estender a mão:

- Concordo... Meu nome é Harrison McFly. Harry pros amigos...

Quando Ray cumprimenta o garoto, Harry também se dirige a ele:

- Desculpe ter sido mandão, garoto, mas precisavamos agir rápido. Sou Harry... Obrigado por salvar os civis...

No momento em que se preparavam pra seguir para a UH, uma estranha luminosidade chama a atenção de todos. A menininha então anuncia que tinha visto a mesma luminosidade antes do monstro aparecer. Imediatamente, Harry sabe que a coisa ainda não havia acabado:

-Merda... pessoal, protejam-se!

Antes que qualquer um possa fazer qualquer outros dois monstros surgem repentinamente. No mesmo momento, Harry (que ja estava bastante cansado pelo voo anterior) começa a avaliar as opções, o que poderia ser feito. Ele vê os monstros atacando, o helicóptero em colapso as pessoas gritando... e sabe que isso era demais para que ele, Ray e o garoto que se apresentava como Chris lidarem. Aliás, Chris sequer tinha demonstrado qualquer poder até ali. Era uma tragédia anunciada. É nesse momento que mais pessoas chegam pra auxiliar. Impulsivamente, sem um plano... o próprio Ray se lança novamente ao combate sem pensar em sua segurança... Harry nota que um dos rapazes está ocupado em tentar deter o helicóptero, outra brande uma espada com uma técnica refinada e que finalmente Chris revela qual seu poder...
Era hora da cartada final... Harry ficaria esgotado depois desse golpe mas nesse momento não havia muito o que fazer. Como o golpe de Chris não visava o monstro que Ray segurava, Harry lançaria seu ataque contra o monstro eletrocutado (uma vez que Ray não conseguiria segurar muito mais tempo).
Apoiando-se em uma parede para não se arremessado para trás, Harry estica os dois braços para a frente e se concentra na movimentação. Só fizera aquele golpe umas poucas vezes e em todas ficou muito cansado. Não poderia errar. No momento certo, ele cerraria seu olhos e a energia começaria a percorrer seu corpo, concentrando-se... Harry então direciona o fluxo para seus punhos e grita:

- RAY!!! CAI FORA DAÍ!!!

Harry então concentra ainda mais seus poderes e grita:

- CANNONBALL!!!!

Toda a energia de propulsão deixa o corpo de Harry e se projeta pelos punhos, atingindo a besta com a força de uma turbina de um jato supersônico... A parede atrás de Harry trinca pouco a pouco e se ele mantivesse o fluxo de poder por muito tempo provavelmente ele a atravessaria...assim que terminasse de soltar todo seu poder, Harry cai de joelhos, com os punhos ainda fumegando... Esperava que aquilo funcionasse, era o último resquício de energia que lhe restava...
avatar
Nasinbene

Número de Mensagens : 1282
Data de inscrição : 29/05/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Drako em Ter Ago 22, 2017 7:02 pm

O som das hélices do helicóptero descontrolado começa a ficar mais e mais alto e aquilo chamava a atenção das criaturas. Elas se preparavam para pular quando se acende uma luz alta por trás delas. Era Jay, bravamente chamando a atenção dos monstros para si. Bem, missão cumprida, pois eles avançam ferozmente em direção ao jovem. O garoto então usa sua habilidade para emitir um cone de luz cegante contra os rostos das bestas. Sucesso, elas estavam temporariamente cegas, porém, isso não fez com que elas parassem de investir até ele nem em um centímetro.

Os monstros são criaturas com o único proposito de se alimentar de carne humana e elas não vão parar até que consigam alcançar seu objetivo. No momento em que os olhos passaram a falhar, elas automaticamente passaram a se guiar pelo olfato.

Jay lança um raio laser e acerta a cabeça do monstro com garras, fazendo com que ele perca um bom pedaço da cabeça, mas a besta continua avançando.  Alburn é obrigado a desviar da mordida do monstro das garras, mas não é rápido o suficiente para evadir do outro. Ele vê as mandíbulas se aproximarem de seu rosto em câmera lenta. Para a sua sorte, Ray pulava em cima do monstro que estava pronto para almoça-lo. Callitri, um jovem forte que nem aparentava ter a idade que tinha, se agarra em um dos braços do bicho e o puxa para baixo, deixando que seu corpo elétrico faça o estrago. O monstro grita, mas o dano não chega nem perto do ataque que tinha carbonizado o adversário anterior. Ray agora contava com a ajuda dos amigos.

Ash tinha acabado de chegar ao local, mas ao contrário dos outros adolescentes, ele resolveu focar sua atenção para o helicóptero que perdia totalmente o controle. Correndo para onde o veículo se dirigia, ele nota uma última explosão na hélice traseira que faz com que o helicóptero caia vertiginosamente. Evans se prepara, reúne forças e espera toda aquela massa cair em suas mãos. Com esforço ele segura todo o impacto, rangendo os dentes, tentando usar seu corpo para amortecer a queda. Ele consegue ser bem sucedido no resgate, colocando o veículo aéreo do canal 7 de volta ao chão. O piloto, copiloto e câmera man estavam a salvo.

Copiloto: Muito obrigado!! Você salvou as nossas vidas!

Piloto: Aquela explosão nos pegou em cheio, não entendi nada. Em um minuto estávamos comemorando a vitória de vocês, no outro rezávamos pelas nossas vidas!

Câmera man:
Eu gravei tudo! A explosão aconteceu do nada. Mas não importa agora, precisamos sair daqui. Obrigado, garoto! Não tenho nem palavras! Só conseguia pensar no meu filho naquela hora. Te devo uma.

Enquanto isso, Isao parte para cima do monstro com garras, usando suas espadas. Ágil com seus patins, o jovem Watanabe percorre o local velozmente e corta as garras da mão esquerda do bicho, que já tinha perdido um pedaço do rosto. Ele grita de dor e volta a sua atenção ao garoto de patins. A criatura pula tentando abocanha-lo, mas Isao consegue desviar. Porém, ele cai no chão por ter que mudar de direção tão rapidamente. A próxima investida seria fatal.

Chris era o único que continuava dentro da loja, afinal de contas a menina era sua responsabilidade naquela situação. Ele tenta aclama-la, mas sem muito sucesso. Stone olha para fora e analisa a situação, pensa qual o próximo passo, algo que possa ajudar para que todos saiam salvos dali. Ele teoriza que a cabeça talvez seja a parte mais frágil da fisiologia do monstro, por ser a única parte com cobertura óssea exterior. Ponto fraco? Talvez!

Chris se ajoelha para falar com a menina, precisa que ela seja corajosa agora.

Chris: Olha...  Meu nome é Chris. Qual é o seu?

Kim: K-kim...

Chris:  Escuta, preciso que você seja corajosa, tá? Preciso que você suba nas minhas costas. Hoje você vai ter que ser a heroína. Vai ser nossa Alfa*, tá? Não se preocupe. Vai tudo abacar bem.

Ele entrega o celular para a menina e pede para que suba em suas costas e ela assim o faz. Agora era hora de entrar em batalha. Seu objetivo era sobreviver até que os profissionais chegassem. Não iria demorar muito até um deles chegar, não é?

Stone aponta o dedo para a criatura, na famosa posição de pistola.

Ray: Mais alguém...? Não dá pra segurar muito...tempo!

O monstro usa o outro braço para se soltar de Ray e o segura no alto, enquanto urra. Obviamente o próximo movimento seria para engoli-lo.

Chris: BLOODY PISTOL!

A rajada de sangue carmesim acerta-o pela boca, e perfura a cabeça da besta de dentro para fora. Com o impacto o monstro solta Callitri de suas mãos.

O momento era oportuno, e McFly notara. Harry preparou as mãos para a cartada final, seu ataque mais poderoso. Apoia-se na parede, estica os braços e se concentra. Ele não tinha feito aquela técnica muitas vezes, porém não era hora para titubear. O garoto fecha os olhos e centra todo o poder nos punhos.

Harry: RAY!!! CAI FORA DAÍ!!!

Ray corre para longe e Harry dispara.

Harry: CANNONBALL

Toda a energia de propulsão é projetada pelos punhos de McFly com a potência de uma turbina de jato e acerta em cheio o corpo do monstro, jogando-o para longe. Os ossos do peito e das pernas do monstro são totalmente destruídos. Harry cai esgotado de um lado, e o bicho caiu todo quebrado do outro. Ele urra de dor, ainda não tinha morrido, enquanto se arrasta pelos metros de distância que tinha sido jogado, com apenas o braço que restou e os dentes. Mesmo a beira da morte ele ainda queria devorá-los.

Ao mesmo tempo, Isao estava à mercê do monstro de garras, que ainda não tinha recebido tanto dano quanto o outro. Vendo Isao ao chão, Jay pula a sua frente para protege-lo. Ambos sabiam que a investida viria, e não iria demorar muito. Quando os jovens se preparam para o que poderia ser o momento de suas vidas, um raio arco-íris acerta em cheio o monstro, jogando-o para longe.


???: DON'T WORRY, BOYS!! I'M HERE TO SAVE YOU ALL!!

Eles olham para o local de onde o raio tinha vindo, e podem ver o criador daquilo. Tinha demorado, mas finalmente um deles estava aqui. Um herói profissional!


Mr. Justice: Peço desculpas pela demora, boys! Sou da cidade vizinha e não tenho a habilidade de voo.

Ele fita o monstro, que se levantava, bufando e preparava uma nova investida.

Mr. Justice: Monstros como esse são as piores aberrações da humanidade! Vivem para devorar e são horrorosos! A justiça irá prevalecer e não sobrará nenhum vivo enquanto, eu, MISTAR JUSTICE estiver vivo!


Ele faz posições de power rangers, enquanto diz Mr. Justice.

Mr. Justice: Vejam, boys! O magnifico poder da beleza que é o meu JUSTICE BEEEAM!!


O raio acerta o monstro, queimando sua pele, enquanto as pequenas estrelas dilaceram sua carne. Novamente o monstro é lançado longe, caindo sem vida.

Mr. Justice se vira para Isao e Jay, com um sorriso no rosto. Ele não era um herói muito conhecido, era apenas de Rank D, mas mostrou aos garotos ali que o mundo heroico não era brincadeira. Para ser um profissional eles teriam que se esforçar muito e evoluir suas habilidades. Justice estende a mão para ajudar Isao a levantar do chão.

Mr. Justice: Está tudo bem agora, boy—

Spoiler:

O monstro não tinha morrido e Mr. Justice, cheio de si, deu as costas ao inimigo. Foi tudo tão rápido que os dois não puderam gritar para ajuda-lo. Mr. Justice estava morto, devorado pela criatura.

Porém... aquilo estava longe de terminar.

Algo estava acontecendo com o monstro, ele urrava, sua pele começa a expelir fumaça, sua fisiologia começava a se modificar. Ele estava evoluindo. A fumaça começa a aumentar criando uma cortina. Isao e Jay só podiam ouvir o urro vindo de lá. Até que ele para.

Uma mão enorme surge da fumaça, dissipando-a.



HP: 95 / MP: 55 HP: 95 / MP: 0
HP: 70 / MP: 0 HP: 95 / MP: 45
HP: 100 / MP: 40 HP: 90 / MP: 60

Off: A partir de agora toda ação com habilidade vai gastar MP. Irei colocar nas atualizações quando foi gasto e ao final o quanto vocês ainda tem.
Espero que gostem.

*Alpha é a heroína do universo, tipo a Mulher Maravilha.

_________________
avatar
Drako

Número de Mensagens : 1824
Idade : 28
Data de inscrição : 28/04/2009

Ver perfil do usuário http://www.ds-club.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Scorpion em Qua Ago 23, 2017 3:06 am

Ok... Não tem ninguém mais ferrado que eu aqui. Pelo menos eu estou fazendo a minha parte e deixando a sociedade muito orgulhosa de mim, certo? Bem, quem sabe...

Finalmente um profissional aparece e mostra do que heróis de verdade são capazes. O desempenho dele é fenomenal e faz com que nós vibremos com a sua vitória até que...

Ray: Ah, que porra! Ele foi comido vivo!!!

Os monstros dali realmente eram bestas horrendas. Comiam seres humanos como eu comia hamburguers... era algo bem horrível de se ver, mas aquilo não podia assustar os jovens. Eles iam ser treinados para isso, não é?

A criatura começava a crescer e a crescer! E aquele problema parecia tomar proporções maiores do que o que parecia ser. Ray tinha plena consciência de que sua bioeletricidade não iria servir de muita coisa ali... se não foi o suficiente para dar cabo dos outros monstros, não seria agora! Ele precisava recarregar!

Então, Ele correu até alguns carros próximos, que já deviam ter sido abandonados por conta da batalha nas ruas e começou a abrir seus capôs. Então, ele estendia a mão para as baterias e começava a sugar suas eletricidades, para se recarregar e poder ser útil na luta.

_________________
avatar
Scorpion

Número de Mensagens : 2433
Idade : 31
Data de inscrição : 04/07/2009

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Phelipe Peregrino em Qua Ago 23, 2017 8:56 am


Impossível! Ali, parado, eu senti como se tudo ao meu redor estivesse evaporando. Um silêncio repentino cortou o ambiente, quando todos encararam a cena do Mr. Justice, o herói profissional que veio nos salvar, foi devorado vivo. Eu fiquei ali, com Kim nas minhas costas. Congelado.

Senti o medo aflorar pela minha espinha, subindo como um inseto pelas minhas costas. Minha mente gritava. Corra! Fuja! Mas eu não fiz isso. Não por falta de vontade, mas simplesmente porque eu havia congelado. Minhas pernas tremeram, minha garganta ficou seca, e meus olhos arregalados. O ar pareceu sumir de meus pulmões. Eu tentava respirar, mas é como se nada viesse.

Ele é um profissional... Minha mente martelava. Profissionais não morrem assim! Não fazia sentido. Não estava certo. Era esse o mundo em que estávamos querendo entrar? Pior, era esse o risco que estávamos correndo até agora?! Sermos devorados num piscar de olhos? Estávamos aqui, brincado de heróis, voando de olhos fechados feito idiotas, sem ter a menor noção do que estávamos realmente fazendo. Não. Não... Não, não, não! O profissional deveria ter acabado com a criatura! Ele deveria ter dado um fim nisso. Só que ele foi comido vivo! Se isso pode acontecer com um profissional, que chance nós temos?! Eu não quero isso. Eu não quero morrer assim! Eu preciso sair daqui. Eu... Parecia que eu ia vomitar. E eu senti o grito de pânico abrindo caminho pelas minhas entranhas. Eu tentei sufocá-lo. Engoli-lo. Contê-lo. E quase falhei. Foi por pouco. E só por um motivo: Alguém gritou antes.

Às minhas costas, Kim gritou, e esse grito ecoou em minha cabeça, me atingindo como um tapa que me sacudiu dos pés à cabeça. No meio da morte e da dor, haviam os que não tinham a mínima capacidade de se defender. No meio desse caos, haviam aqueles que não podiam lutar por sí mesmos. Mas... Eu juro...

Eu vou estar lá para lutar por cada um deles!


Meus punhos cerraram. O sangue ferveu em minhas veias. Eu respirei fundo. Coloquei Kim novamente no chão.

Chris: Você foi muito corajosa! - Olha pra ela. - Agora eu tenho um pedido muito importante pra você: preciso que você se esconda ali. - Aponto para o local que me pareceu mais seguro na sala onde estávamos. - Eu te dei meu celular, né? Ele é muito importante. Pode proteger ele pra mim? - Falei. Claro que o celular não era importante, era só para dar a ela um objetivo para se agarrar e, principalmente, algo para pensar que não seja a criatura. Além disso, eu liguei o botão de S.O.S. do aparelho. Não que eu achasse que o que estivesse acontecendo aqui já não fosse de conhecimento geral, mas não ia deixar que isso me impedisse. - Não se preocupe. Eu vou estar bem aqui o tempo todo.

Me asseguro que ela esteja escondida, depois volto para a luta, saindo de dentro da loja onde estava. Uma criatura de tamanho incrível havia se materializado da fumaça. A coisa só piorava.

Chris: Pessoal! - Gritei. - Essas coisas... - Foi rápido, e eu não pude realmente confirmar os efeitos da minha teoria. Isso porque o tal do Harry atacou logo em seguida. Mas eu tenho certeza do que vi. O meu Bloody Pistol atravessou a boca da criatura por dentro. A minha teoria estava certa. - Elas são vulneráveis na parte interna da boca! Foquem seus ataques nessa região!

_________________
avatar
Phelipe Peregrino

Número de Mensagens : 1453
Idade : 28
Data de inscrição : 27/04/2009

Ver perfil do usuário http://www.facebook.com/phelipe.peregrino

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Leo Rocha em Qua Ago 23, 2017 2:58 pm

Mire nas garras. Tire a vantagem dele. Use a sua vantagem.
Isso pensava nisso enquanto patinava na direção do monstro. A equação não parecia ser das mais complexas: ele usaria sua vantagem de velocidade para tirar as garras que eram vantagem da criatura.
A espada símbolo do seu dojo parecia uma extensão que ligava seu corpo a algo muito maior: a tradição de homens e mulheres honrados que vieram antes dele.
O fio perfeito se mostrou mais uma vez ao cortar a carne do monstro, separando as garras de sua origem. Ele se preparava para comemorar ao ver que um disparo também havia provocado dano na cabeça do monstro e esse descuido quase lhe valeu uma morte rápida na boca da criatura.
Isao conseguiu desviar,mas a manobra foi imperfeita e o levou ao chão. A criatura se aproxima salivando é seu hálito causa repulsa ao jovem. Quase tanta quanto a sensação de fracasso...
Um dos jovens heroís se lança entre Isao e o monstro, numa tentativa de protegê-lo. Apesar da gratidão pelo gesto, Isao percebe que com o jovem ali não poderia usar seu poder. Enquanto pensa nessa questão, ele observa a chegada do herói profissional e vê a facilidade com que ele domina a situação. Isso dá tempo de Isao se levantar e pegar a espada enquanto diz:

Arrow Meu nome é Isao Watanabe. Me chamam de habilidoso. Obriga...

Mais uma vez a autoconfiança leva ao erro. Dessa vez de forma fatal.
A criatura começa a mudar diante de Isao e ele percebe que a situação se torna cada vez mais complicada. Ele olha para o jovem a seu lado e diz:

Arrow Não sei se você tem algum poder, mas se tiver, temos que usar para confundir a criatura. Vamos atacar nos movimentando em direções diferentes.

Ele então começa a patinar em alta velocidade, rodando em volta da criatura. Na primeira brecha, faria uma manobra que lhe permitiria tocar no chão e gerar uma explosão média para que o solo ficasse instável o suficiente a ponto de não aguentar o peso da criatura e ceder, levando o monstro para o esgoto ou prendendo-o na cratera. Se isso funcionar, ele dirá:

Arrow Agora talvez consigamos pega-lo.

_________________
avatar
Leo Rocha

Número de Mensagens : 4147
Idade : 38
Data de inscrição : 14/10/2007

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Ricardo Sato em Qua Ago 23, 2017 5:05 pm

Uma montanha russa de emoções passavam pela mente de Jay,seu ataque fizera efeito mas ele foi surpreendido pela tenacidade dos monstros...."monstros devoram seres humanos",isso era um lugar comum conhecido por todos,mas Alburn não tinha ideia da profundidade dessas palavras até aquele momento.Monstros devoravam humanos...mesmo cegos,mesmo alquebrados,mesmo sem pedaços da cabeça.Tal voracidade era incompreensível e a luz desses fatos incompreensível também se tornou o outro lugar comum conhecido por todos..."as vezes eles se aliam a vilões",como seria isso possível se seu desejo por carne humana era tão grande?

Foi salvo da morte por um dos outros garotos e mesmo em seu choque tentou fazer o mesmo...proteger,mesmo sabendo que seria inútil,porém o valor dos heróis se mostra novamente na pessoa de Mr. Justice,em um momento Jay foi do choque e medo da morte para alívio e esperança...e novamente para desespero.Mesmo o profissional deixa-se distrair,pelo que seria a última vez,a criatura muda e cresce e as pernas de Jay tremem a medida que sua mente parece responder suas dúvidas anteriores.

Porque eles tão desesperadamente devoram pessoas e porque mesmo com tanta fome eles aceitam agir com homens que lhes dão a chance de devorar ainda mais humanos?....A resposta era simples,PODER,se sua teoria estivesse correta as habilidades das pessoas devoradas deviam dar mais poder aos monstros e eles instintivamente faziam de tudo para alcançar mais poder,ainda pior,se sua teoria estivesse correta o monstro antes moribundo havia ingerido o equivalente a força de um herói treinado de rank D.

O medo crescia ainda mais somando seus pensamentos a visão do monstro crescendo e da morte do herói....mas foi ai que Jay se lembrou de um outro monstro....



...do medo que sentiu e daquilo que cresceu em eu peito na hora de enfrentá-lo,CORAGEM...era disso que todos precisavam.

SOUL LIGHT NÍVEL 2.

A luz de Alburn cresceu e tomou pouco menos de 100 metros da rua e todos os seres humanos na área podiam sentir em seu peito a coragem crescer e dominar o medo,impulsionando a ação sem desespero.Deixando-se afetar por seu próprio poder Jay responde agora com um sorriso mais tranquilo.

Eu sou o Jay Alburn e você ta certo,vamos nos separar e agir.....desconfio que essa coisa deve estar tão forte quanto um herói de rank D,tome cuidado.

Alburn então se prepara correr na direção oposta a de Isao,mas antes de ir e aproveitando a posição em que estava,próximo e logo abaixo do monstro e também o fato de achar que a coisa deveria estar muito forte pra deter seus ataques se levasse golpes comuns,decide usar um de seus trunfos...a coisa só pensava em devorar e ao que parecia(segundo outro garoto)o interior da boca deveria ser um ponto fraco,se as duas coisas estivessem corretas ficava claro o que atingir.

Jay liberaria seu ataque mais forte de baixo para cima contra a cabeça do monstro,atingindo primeiro a mandíbula para destruí-la,o objetivo do monstro era devorá-los e sua mordida seria morte instantânea para qualquer um dos garotos,mas e se ele não pudesse mastigar?Será que ao invés de matá-los em um golpe só ele tentaria segura-los até poder mastigar?Se sim eram segundos preciosos em que alguém poderia ser salvo,pelo menos não ser mordido já aumentava por si só as chances de ser salvo com vida se engolido...e caso a ideia do garoto de um ponto fraco se mostra-se verdade tanto melhor,já que era ali que ele pretendia atingir.

Por um instante o ar ao redor de Ember se aquece e ilumina ainda mais do que a luz que ele já dispersava pela rua,um globo brilhante que logo era disparado como uma enorme coluna subindo aos céus na diagonal...passando pela cabeça do monstro.

Lá vai...RISING SUN!!!

Depois era correr o máximo possível,verificaria se havia dado certo....mas só quando estivesse mais longe.

_________________
avatar
Ricardo Sato

Número de Mensagens : 1358
Idade : 33
Data de inscrição : 06/03/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Guima em Sab Ago 26, 2017 10:51 am

Enquanto corro na direção do helicoptero noto uma explosão no motor que acaba com a tentativa de um pouso forçado do piloto. Não vai dar tempo de eu chegar antes que o helicoptero caia... Eu preciso liberar meu poder...

Muscular Unleash!! Modo: Fierce

Ainda na corrida, minhas fibras musculares se explodem criando fibras e tonus musculares mais fortes do que antes. Meu vigor aumenta e com isso posso acelerar minha corrida com o impulso dos meus musculos... Chego em tempo de ficar numa posição que me permite segurar o helicoptero antes da sua queda... mas ele estava caindo vertiginosamente e rodopiando ainda. Levantar um helicoptero em modo FIERCE é facil. Dificil é segurar um helicoptero em queda mas vou ter que aguentar.

Flexiono os meus joelhos e firmo meus pés no solo. Ergo os braços com os cotovelos descansados e espero o baque. É pior do que eu pensava... o esforço me empurra pra baixo como se eu estivesse sendo pisado por um gigante. Meus musculos ardem e agacho uma das minhas pernas pra melhorar a sustentação. É como no levantamento terra: foque a força nas pernas e não na coluna. Rilho os dentes...Será que em modo Fierce eu tenho força suficiente?

VAMO LAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAARGHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH

Meus pés afundam no concreto e minhas mãos amassam a lataria do Helicoptero como se fossem papelão. Consigo estabilizar a queda e evitar um acidente grave. Pouso o Helicoptero em segurança e logo observo integrantes do canal saindo de lá de dentro aliviados...


Copiloto: Muito obrigado!! Você salvou as nossas vidas!

Ash: Fiz apenas o que um heroi faria...

Piloto: Aquela explosão nos pegou em cheio, não entendi nada. Em um minuto estávamos comemorando a vitória de vocês, no outro rezávamos pelas nossas vidas!

Ash:Só vi as coisas pela TV. Estou sem informações sobre o que esta acontecendo...

Câmera man: Eu gravei tudo! A explosão aconteceu do nada. Mas não importa agora, precisamos sair daqui. Obrigado, garoto! Não tenho nem palavras! Só conseguia pensar no meu filho naquela hora. Te devo uma.

Ash: Gravou tudo? Pode me mostrar o que gravou? Talvez a Camera pegou algo que passou despercebido que possa ajudar a deter os montros ou até mesmo descobrir de onde eles surgem! Você não deve nada...volte pra casa e cuide do seu filho. Seja o heroi que ele precisa!

Caso a gravação do Camera Man mostre algo de relevante, volto ao campo de batalha para ajudar os demais com novidades que talvez possam ser uteis. Caso o camera Man não mostre nada, volto ao campo de batalha mesmo assim.

_________________
avatar
Guima

Número de Mensagens : 2330
Idade : 32
Data de inscrição : 12/12/2009

Ver perfil do usuário http://www.remistico.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Drako em Dom Ago 27, 2017 6:48 pm

A Criatura tinha evoluído, crescendo exponencialmente. Ela agora tinha o tamanho de um pequeno prédio de três andares. Como aquilo tinha acontecido? Jay e Isao tinham visto de perto o monstro devorar o herói que tinha bravamente se colocado no campo de batalha. Alburn teorizava que a besta busca por poder ao devorar as pessoas e ao devorar Mr. Justice, ela absorveu o poder dele para si. Bem, teorias de nada iriam adiantar numa situação daquelas, apenas ações.

Ray corre para os carros mais próximos para recuperar suas energias, pois sabia que seria inútil entrar em combate descarregado. (+50 MP) Harry continuava caído no chão, exausto. Ao contrário de Ray, seus poderes não podem ser recarregados tão simplesmente e a única coisa que pode fazer era descansar ali mesmo. (+10 MP) Ele conseguirá se levantar daqui a alguns minutos.

Enquanto isso, Chris estava congelado. A cena que tinha presenciado o chocou imensamente, toda a ideia de ser um herói se tornava turva em sua mente, ele queria sair correndo de lá, ele queria se salvar, como pode alguém com a consciência sã pensar em continuar lutando após tudo aquilo que ele viu? Sentiu pânico e de pernas bambas chegou a mexer-se em direção a saída, quando ouviu um grito vindo de suas costas. A voz da menina que ele disse que iria proteger bate forte em sua cabeça, lhe sacudindo de cima a baixo. Não, fugir não era uma opção. Jurou que de agora em diante ele lutaria pelos indefesos, criando uma coragem que ele mesmo não sabia que existia. Apontou para um local que achava que seria seguro para ela, e a pediu para protegê-lo, para que Kim tenha algo para se segurar numa situação como aquela. Já tinha acionado o SOS do celular, como mais uma forma de pedir ajuda. Finalmente ele sai de dentro da loja e diz aos outros dois aspirantes a heróis que acreditava que a parte interna da boca do monstro seria seu ponto fraco.

Jay também enfrentava o medo, e ele estava frente a frente com a criatura. Porém, ele se lembrava de monstros piores que frequentavam sua mente de tempos em tempos. Razor Flare. Subitamente uma mistura de sentimentos infla seu peito, e lá no fundo a coragem aparece. O jovem ativa seu técnica Soul Light nível 2 (-10 MP), criando uma luz forte que iluminou por certa de 100 metros de onde ele estava. Aquilo serviu como um burst de coragem para o resto dos outros jovens que se encontravam ali.

Motivado pela luz do companheiro, Isao patina em alta velocidade, rodando em volta do monstro. Quando a besta tenta acerta-lo, Watanabe desvia e usa sua técnica para causar uma explosão no chão, entre as pernas do bicho. (-10 MP) Sua técnica foi bem sucedida, porém ele também sofreu um pouco de dano vindo de seu próprio ataque, visto a sua fraqueza. (-5HP). Por conta da explosão, o chão abriu e jogou uma das pernas do monstro para o esgoto, prendendo-o por alguns instantes.

Ash até o momento se focou no helicóptero, da qual conseguiu salvar sem menores problemas. Ele pede ao câmera man para ver o que ele conseguiu gravar do momento em que os monstros apareceram.

Câmera Man: Desculpe, não tenho como te mostrar a gravação, meu equipamento ficou danificado com a queda. Mas tome, fique com o arquivo. –Ele pega o cartão de memória e entrega ao Ash—Ele com certeza será de mais utilidade nas mãos de heróis como vocês da WoH.

Os civis correm dali e Ash volta para o campo de batalha. Foi então que ele viu Jay lançar mais uma de suas técnicas. (-30MP)

Jay: RISING SUN!!!

Uma coluna de energia luminosa sobe em diagonal, com a cabeça do monstro como alvo. Ele não conseguiu desviar por estar preso devido à ação de Isao, mas usou seu braço para proteger o rosto.  A luz atravessa o braço como um laser, da mão ao ombro. Litros de sangue caem no chão, enquanto a besta urra de dor.

E então ela para.

Jay e Isao olham diretamente para os olhos da besta. Eles notam que dessa vez não há um vazio monstruoso em seu olhar, há ódio. O monstro abre a boca e algo começa a se acumular frente a ela. Uma energia luminosa e vermelha vai crescendo pouco a pouco. O grupo reconhece aquela energia, eles tinham visto há poucos minutos atrás. Justice Beam! Era bem parecido, mas muito maior e ameaçador.

Jay: FUJAM!

Alburn provavelmente pensou em usar uma de suas técnicas defensivas para salvar todos ali, mas ele não tinha mais energia. A verdade é que não tinha lugar nenhum para fugir. Aos poucos a energia vermelha ofuscava a luz de coragem que o Soul Light de Jay proporcionava. Isao preparava sua Barreira explosiva numa esperança cega de que aquilo pudesse lhe salvar. Harry finalmente se levanta, sabe que tem um pouco de energia para se salvar caso feche os olhos, mas aquela cena era aterrorizante demais, impossível para ele não deixar de olha-la. Ray para ao lado de Chris e ambos se olham, com pesar. Kim sai da “segurança” da loja e corre até as pernas de Stone, que se abaixa e lhe dá um abraço. Ash, que tinha voltado para onde o grupo estava, não entende muito bem o que tinha acontecido, mas pode perceber perfeitamente o que vinha a seguir. Todos os seis heróis ali presente entendiam que não havia mais saída.

Uma enorme boa de energia continua a se materializar frente à boca do monstro.

Era o fim...

Chris abraçava a menina, afim de lhe dar conforto perante a sua morte, mas foi ela quem deu conforto a ele com apenas uma frase.

Kim: Olhem!! Lá no céu!!


Chegou como um raio dourado, caindo no meio do grupo de jovens que estavam aguardando a morte certa. Eles sabiam o que era aquilo, aquele raio já foi noticiado em diversas matérias jornalísticas. Quando a situação era a mais crítica possível, quando os vilões estivessem prontos para vencer, aquela luz traria a salvação para todos. As pessoas o apelidaram de o Raio da Esperança. Era a forma de transporte que o World of Heroes usava quando precisavam chegar a um local muito longe rapidamente. Como eles faziam aquilo não foi divulgado, mas uma coisa era certa. Se o raio foi acionado, ELE estaria lá.

Spoiler:


Kim: NATIONAL MAN!!

National man, o maior herói da história da humanidade. Aquele que salvou o planeta tantas vezes que estátuas foram levantadas ao redor do mundo em seu nome. O homem mais forte da Terra. Sim, e ele veio para salvá-los. Segurava em sua mão um telefone que piscava um SOS na tela. Olhou em volta, analisou o campo de batalha e os participantes. Viu as crianças em choque e se sentiu culpado. Ele deveria estar lá.

National Man: Eu não sabia que um monstro de nível C tinha atacado StanCity. Peço desculpas por não estar aqui quando precisaram, eu estava em missão com o World of Heroes em outro continente. Por conta disso, acabei colocando vocês numa situação que não precisavam. Mas não temam, eu cuido de tudo de agora em diante.


A energia estava quase totalmente reunida, mas aquele herói frente a eles disse tudo àquilo calmamente. Quando Mr. Justice apareceu, os jovens sentiram uma sensação de alívio por ter chegando um profissional no local. Mas com National Man era diferente, ele transmitia uma aura confortante, estar frente a ele lhes dava esperança. Ele olha para o que sobrou do corpo de Mr. Justice. Ele o reconheceu, mesmo sendo um herói de Rank D, com pouca popularidade.

National Man: Perdão, Mr. Justice. Sua morte não será em vão. Você deu sua vida por esses jovens, eles carregarão seu heroísmo em diante.

A bola de energia estava completa e pulsante, finalmente o monstro a dispara.


National Man: God strength!


National Man: Aquiles Punch!

A potência do soco liquidou toda a energia soltada pelo monstro, foi em direção à criatura e a fez em pedaços. O adversário dos jovens tinha sido derrotado em questão de segundos. Aquela era uma fração do poder de um dos 3 únicos heróis classe S registrados no mundo.


Kim salta das costas de Stone e corre até o herói, que se abaixa para receber o abraço que ela estava para lhe dar.

National Man: Estão a salvo agora, crianças.



HP: 95 / MP: 55 HP: 95 / MP: 10
HP: 70 / MP: 50 HP: 95 / MP: 5
HP: 100 / MP: 40 HP: 85 / MP: 50
Off: Postem as reações dos personagens ao fim da batalha. No próximo Ato todos vão para a Universidade.
O propósito do ataque era para mostrar que os personagens de vocês são muito fracos perto do que está lá fora e o objetivo da aventura é crescer o potencial deles.


Última edição por Drako em Dom Out 01, 2017 11:20 pm, editado 1 vez(es)

_________________
avatar
Drako

Número de Mensagens : 1824
Idade : 28
Data de inscrição : 28/04/2009

Ver perfil do usuário http://www.ds-club.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ato 1 - Um herói faria...

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum